Sífilis também é inimiga do coração

Amplamente difundida, automedicação traz riscos à saúde
28 de outubro de 2016
Insatisfação no trabalho pode causar prejuízos físicos e emocionais
3 de novembro de 2016

Sífilis também é inimiga do coração

De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, em 2015, o número de casos de sífilis apresentou o expressivo aumento de 603% nos últimos seis anos. Os índices dos quadros congênitos também mostrou crescimento, chegando a 135% - todavia, o valor nas gestantes é o mais impressionante, de 1.047%.

Causada pela bactéria Treponema pallidum, evolui em 3 estágios de infecção: primário, secundário e terciário, sendo os primeiros com mais chances de transmissão.

A Sífilis Primária tem como sintoma o surgimento de apenas uma ferida em local específico como região íntima, boca, ou locais na epiderme. Esta se dá pela manifestação da ferida entre 10 e 90 dias da contração. Na Secundária, entre 6 semanas e 6 meses, surgem também as manchas avermelhadas nas extremidades do corpo (mãos e pés), podendo acompanhar ínguas nas regiões íntimas, como virilha. Já na Terciária,os sintomas podem surgir entre 2 e 40 anos e são mais graves, causando feridas na pele, nos ossos, coração ou neurológicas.

Se não tratada, a Sífilis também pode causar problemas cardíacos como aneurismas, inflamações e danos às artérias e válvulas do coração – como a aorta, entre outros problemas relacionados ao órgão. É chamada de Sífilis Cardiovascular.

A doença pode ser controlada por um Infectologista por meio de Penicilina ou antibióticos comuns. Em casos mais graves, é necessária a internação do paciente para uso intravenoso destes medicamentos.

1 Comentário

  1. felipe disse:

    oi gente
    gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *