Posso escolher ter o meu bebê em um hospital que seja apenas maternidade?
29 de janeiro de 2021
Mulher e Covid-19
10 de fevereiro de 2021

Cefaleia e pandemia

A cefaleia é considerada a segunda condição médica mais comum da humanidade e atinge, aproximadamente, 15% da população brasileira, ou seja, cerca de 30 milhões de pessoas.

As fortes dores provocadas pela doença a classificam como incapacitante. Segundo Célia Roesler, secretária do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), a patologia causa um grande impacto socioeconômico e é um dos principais motivos de falta ao trabalho, “Ela interrompe, muitas vezes, bons e importantes momentos da vida”.

Por conta da quarentena, houve um aumento de queixas dos pacientes que tiveram as crises agravadas nesse período. Célia conta que isso acontece porque um indivíduo diagnosticado com cefaleia não pode sair muito da rotina.

“Com a pandemia, eles estão comendo diferente, com o sono desregulado, ingerindo alimentos mais calóricos e não estão fazendo atividades físicas. Além disso, há também o estresse, o sentimento de incerteza e a angústia de ficar o tempo todo dentro de casa”, explica.

 

Diagnóstico e tratamento da cefaleia

Quando um paciente apresenta três ou mais dores de cabeça por mês, durante três meses seguidos, é indispensável a procura por ajuda especializada.  Especialistas ainda fazem alerta sobre a automedicação: o uso constante e excessivo de analgésicos pode tornar crônica aquela dor que aparecia esporadicamente. 

Apesar de não ter cura, contar com acompanhamento médico e cuidado adequado são ferramentas essenciais para melhorar a qualidade de vida de quem sofre com a doença. O tratamento preventivo é feito por uma combinação entre medicamentos e terapias não medicamentosas.

Os métodos alternativos podem auxiliar no alívio e na diminuição da frequência das crises. Célia Roesler recomenda, principalmente durante a quarentena, “Fazer meditação, alongamento, pegar quinze minutos de sol para ajudar a sincronizar o sono, procurar dormir nos horários habituais, alimentar-se de forma regrada, fazer atividade física regular e terapia cognitiva comportamental. Tudo isso pode ajudar e evitar a piora do quadro”, comenta. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *