Reposição hormonal
9 de abril de 2021
Os cuidados com a Covid-19 continuam
23 de abril de 2021

Futuro e saúde da mulher

Não há dúvidas que os constantes avanços tecnológicos, especialmente na medicina, são uma realidade. Luciano Chala, médico radiologista do Grupo Fleury Medicina e Saúde, acredita que os algoritmos de inteligência artificial podem ser fortes aliados no combate ao câncer de mama e outras doenças, mas o caminho ainda é longo.
“Os algoritmos enfrentam seus próprios desafios, entre eles dilemas éticos, regulatórios e legais, que devem ser resolvidos com a participação dos médicos e sociedades médicas, sempre em benefício do paciente”, pontua.
Em 2019, pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts (MGH) apresentaram uma nova tecnologia capaz de avaliar o tecido mamário denso em mamografias. A plataforma criada pelo MIT utiliza a técnica de Machine Learning (aprendizado automático) e foi desenvolvida utilizando milhares de mamografias digitais. Os pesquisadores criaram um algoritmo capaz de diferenciar os tecidos mamários em quatro diagnósticos: gordurosas, dispersas, heterogêneas e densas. O tipo de tecido mamário denso pode favorecer a resultados falso-negativos em exames de mamografia, visto que os tumores, quando estão presentes, também são brancos como o tecido podendo assim passar despercebidos pelos médicos.
Com essa tecnologia, o algoritmo é capaz de ler a mamografia e consegue prever qual a categoria de densidade mais provável. A inteligência artificial quando utilizada nesse contexto, mostrou ser capaz de distinguir corretamente diferentes tipos de tecidos mamários com mais de 90% de concordância com o diagnóstico de radiologistas.
Essa tecnologia, quando estiver disponível nos hospitais e centros de diagnósticos, beneficiará milhares de mulheres em todo o mundo. Até lá, os cuidados devem ser mantidos e os exames devem ser realizados periodicamente, entre eles a mamografia. Recomendada pelos médicos para mulheres com idade a partir dos 40 anos, ele é um exame essencial para o diagnóstico precoce da doença. Uma análise feita pelo Independent UK Panel mostrou uma redução de 20% na mortalidade de mulheres com câncer de mama que realizaram o acompanhamento regular.


Fonte: https://www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/noticias/aacr-2019-inteligencia-artificial-podera-auxiliar-no-diagnostico-de-cancer
http://latinsafe.org/2018/10/09/dr-luciano-chala-aborda-temas-do-outubro-rosa/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *